sexta-feira, 8 de julho de 2011

Tam condenada por não alertar passageiros sobre uso de cinto

04.07.2011


A companhia aérea Tam deverá pagar reparação de R$ 21.800,00 por danos morais a uma passageira que ficou ferida durante turbulência em maio de 2009.

A condenação foi motivada porque a companhia permitiu "que seus passageiros permanecessem dentro da aeronave sem afivelar os cintos de segurança".

Anna Maria Bernardes Lima, 75 anos, foi uma das 21 pessoas, entre 154 passageiros e tripulantes, que se feriram cerca de 15 minutos antes de o voo JJ 8095 se preparar para pousar em Guarulhos vindo de Miami. O avião foi atingido por forte turbulência.

A vítima foi deslocada no ar verticalmente, chocando-se contra o teto e sofrendo trauma craniano frontal,
fratura de fêmur e fratura da 10ª e da 12ª vértebras dorsais.

A Tam se defendeu dizendo ter sido surpreendida por evento natural irresistível não detectado pelos
instrumentos de controle existentes, caracterizando-se caso fortuito e força maior.

Segundo a companhia, ainda, a vítima se acidentou por sua culpa exclusiva, pois não afivelar o cinto de segurança quando acionado o aviso pelo comandante da aeronave ao detectar a possibilidade da ocorrência da turbulência.

Porém, para a juíza Maria Rita Rebello Pinho Dias, da 30ª Vara Cível do Foro João Mendes Júnior, de São Paulo (SP), o fato de outros passageiros também terem se machucado demonstra que “quando foi dado o aviso de afivelar o cinto, não houve tempo suficiente para que todos os passageiros tomassem a providência solicitada pelo comandante”.

De acordo com a magistrada, o aviso de atar cintos foi dado com pouco tempo de antecedência e “a alegação de existência de avisos na aeronave sobre a obrigatoriedade de uso contínuo do cinto de segurança não serve como pretexto para imputar culpa à autora, vez que é de conhecimento de todos aqueles que fazem uso freqüente de transporte aéreo que a praxe para a utilização do cinto é na decolagem e pouso, momento em que é ordenado por funcionário da aeronave ou em casos excepcionais, quando solicitado.”

Para a julgadora, não existe orientação de que o cinto permaneça afivelado durante toda a viagem, caso contrário, haveria determinação para que todos os passageiros permanecessem com este atado todo o tempo, sem necessidade de avisos sonoros de alerta.

A responsabilidade objetiva da Tam também foi reafirmada na sentença por aplicação do Código de Defesa do Consumidor, pois a empresa permitiu que seus passageiros permanecessem dentro da aeronave sem afivelar o cinto de segurança, agindo de forma negligente perante risco previsível, inerente à sua própria atividade econômica, que não se caracteriza como caso fortuito ou força maior.

Cabe recurso. (Proc. n. 583.00.2010.164146-0)

Fonte: http://www.espacovital.com.br/noticia_ler.php?id=24294

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do blog e deixe seu registro!