terça-feira, 19 de junho de 2012

O romantismo de Veneza

Ah, Veneza...só de pensar e relembrar bons momentos que vivemos por lá, chego a suspirar. Há mais de 1000 anos sobre as águas do Mar Adriático, a cidade transborda romantismo e personalidade.

Passeio de gôndola, ruelas tomadas pelas águas, arquitetura histórica, o murano e as famosas máscaras venezianas fazem de Veneza uma cidade única e inesquecível. Estivemos lá no início de outubro. Já era outono e, ao contrário do que algumas pessoas dizem, não havia mau cheiro. No verão, o odor desagradável sobe como consequência do calor e, por isso, não indico esse período para quem quiser visitar a cidade.

Após o voo pela British Airways, originado de Londres, desembarcarmos no aeroporto Marco Polo, em Mestre, região pertencente a Veneza. Para chegar ao centro histórico, é preciso pegar o ônibus aquático,  conhecido como vaporetto, da  empresa Alilaguna.


Vaporetto

Pelo caminho...
Partimos do embarcadouro. Turistas e venezianos seriam nossos companheiros por uma hora. A vista para o Campanário da Basílica de São Marcos, juntamente com o verde das águas, era magnífica, mostrando que Veneza estava a pouquíssimas milhas. Em instantes chegaríamos em San Zaccaria, parada próxima ao nosso hotel.

Ao fundo, o lindo Campanário
Após a descida, quando pisei naquela cidade cheia de mistérios e belezas, comprovei que estava em um dos destinos mais românticos e requisitados da Europa. Estar ali foi como entrar em uma história de filme e tornar-se personagem daquele mundo de fantasias.


Carregadores de bagagem à vista! Vários aproximam-se de você. Se não fosse por eles, sairia pelas ruas de Veneza, arrastando minhas malas. Portanto, vale a pena pagar pelo serviço.

Hospedamos no hotel Locanda al Leon. A localização não poderia ser melhor, a pouquíssimos passos da Piazza San Marco. Tem funcionários simpáticos e quartos em estilo veneziano, com móveis em detalhes dourados.

Pelas ruas de Veneza
Estava ansiosa pela atração mais famosa e apaixonante: o passeio de gôndola. Uma infinidade das embarcações encontrava-se ali, quase em frente à Ponte dos Suspiros. Por 80 euros, passei a tarde mais romântica da minha vida. O gondoleiro, vestido com sua típica roupa em preto e branco, perguntou se queríamos alta, média ou baixa velocidade. E, por acaso, quem faz um passeio desses tem pressa? Nem precisava perguntar...



Quase toda a Itália estava em obras, inclusive Veneza. A Ponte dos Suspiros ou "Ponte dei Sospiri" era uma das maravilhas venezianas que passavam por reforma. Para a cidade conseguir arrecadar fundos para a conclusão das obras, enormes painéis publicitários tornaram-se complemento da arquitetura dos prédios históricos. Uma pena. Hoje, a reforma foi concluída, de acordo com matéria e fotos publicadas no site http://www.comune.venezia.it.   

A Ponte é uma das construções mais fotografadas de Veneza. A estrutura barroca é do século XVII e não tem um histórico romântico, como muitos pensam. Antigamente, os condenados passavam por ali e suspiravam de tristeza por ser a última visão que teriam do lado de fora da prisão. Curioso é que segundo a lenda, quando um casal dá um beijo ao passar por debaixo da ponte, o amor deles será eterno.

Ponte dos Suspiros

O passeio de gôndola torna-se um verdadeiro espetáculo para quem observa

Arquitetura histórica



Fim (ou início) de um dos passeios mais famosos e inesquecíveis do mundo.

Rumo à Piazza San Marco ou Praça de São Marcos, chamada de "o salão mais belo da Europa" e cercada de cafés. É ali que estão as mais marcantes construções venezianas, como o Palazzo Ducale, a Basílica de San Marco e o Campanário. Turistas e pombos são os principais visitantes. Algumas barraquinhas instalaram-se por ali, para a venda de souvenirs, como máscaras venezianas, bolsas e imãs.

Eu e os pombos



Hora de conhecermos mais uma construção histórica de Veneza: o Palazzo Ducale, conhecido também como Palácio do Doge, localizado na Praça de São Marcos. Na história, Doge significava dirigente máximo da República de Veneza e o prédio era sua sede. É um lugar simbólico, onde o visitante faz um passeio especial guiado para descobrir a história e a cultura veneziana, além de admirar obras de grandes mestres como Ticiano, Veronese, Tiepolo e Tintoretto.

No início do século XVII, as Prigioni Nuove (Prisões Novas) ligaram-se ao palácio através da Ponte dos Suspiros. O objetivo era o percurso de um prédio ao outro. Os condenados eram levados do palácio, que era sede dos tribunais, para as prisões.




Ao lado do palácio, encontramos a Basílica de São Marcos, a mais famosa igreja veneziana. De arquitetura bizantina, a Basílica é um monumento de grande riqueza histórica, traduzida em seu interior de detalhes que contam a vida de São Marcos. Que tal uma visita em 3D? Acesse aqui.






Logo em frente à Basílica, encontramos o Campanário, outro marco histórico da cidade. Construída no séc. IX e reconstruída após seu desmoronamento em 1902, a torre possui quase 100 metros de altura.

Campanário da Basílica de São Marcos.

Ainda na Praça de São Marcos, podemos ver a Torre do Relógio e prédios como o da Velha Procuradoria, onde charmosos cafés ocupam o primeiro piso. A Torre abriga um belo relógio de mármore, esmalte e ouro, que mostra as horas do dia em algarismos romanos, as estações do ano, as fases da lua e cinco planetas (Saturno, Júpiter, Marte, Vênus e Mercúrio). No topo da torre, as horas são marcadas por duas estátuas em bronze, que batem no sino.

Torre do Relógio, também conhecida como Torre dos Mouros.

Prédio da Velha Procuradoria. Abaixo, os charmosos cafés.

A gastronomia da região do Vêneto tem frutos do mar como uma das especialidades. Nos arredores do hotel Locanda al Leon, encontramos uma vitrine chamativa e irresistível: 



Mas como Veneza foi a primeira cidade italiana onde pisamos, não dispensamos a massa, que também pode vir acompanhada de frutos do mar. Nesse dia, escolhemos o fettuccine do restaurante Al Theatro, acompanhado do legítimo e tão sonhado funghi porcini. Mas não indicaria este restaurante para quem quiser um bom e legítimo jantar italiano. Achei a comida meio sem tempero e o atendimento razoável.




A torta al cioccolato e, na volta para o hotel, a parada em um dos cafés da Praça de São Marcos para ouvir uma orquestra caíram muito bem e fecharam aquela noite mais que romântica!




Orquestra de alto nível tocando em café da Praça de São Marcos. Só mesmo na Europa....

No dia seguinte, fomos conhecer a Ponte de Rialto, uma das quatro pontes sobre o Grande Canal (maior via aquática de tráfego de Veneza). É ali que a venda de frutas, legumes e peixes é disputada no Mercado de Rialto, que fica sempre cheio, no período da manhã (07:30hs às 13:30hs), por centenas de venezianos e turistas. Para chegar até lá, a estação mais próxima é a "Rialto-Mercato" (linea 1).


Ao fundo, a Ponte de Rialto.

Em algum lugar de Veneza... 
Você deve estar se perguntando: e o murano? Assim como as máscaras, o murano é objeto de desejo de todo turista que vai a Veneza. As peças desse vidro, fabricadas na ilha de mesmo nome, a 15 minutos de Veneza, são vendidas em lojas espalhadas por todos os lugares. Para quem não teve oportunidade, como eu, de ver o processo de fabricação, pelo menos entre nas lojas e conheça bijuterias e artigos de decoração fabricados com o material.

Bom, o papel de personagens daquele filme real finalizou por ali. Fomos embora de Veneza mais românticos do que nunca, com a certeza de que esta foi uma experiência inesquecível.

Até a próxima!




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do blog e deixe seu registro!