quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Atrações em Diamantina e seus arredores


Mercado:

Antigamente, o mercado foi rancho dos tropeiros. Hoje, o espaço funciona aos sábados, até as 13:00, como feira de comidas, bebidas e artesanatos típicos. E toda sexta-feira à noite, o mercado é ponto de encontro. Praça Barão de Guaicuí, 170.



Casa de JK: A casa, na época construída de pau-à-pique e hoje toda revitalizada, foi a residência onde o ex-presidente da República Juscelino Kubistschek passou sua infância. Não deixem de visitar! Rua São Francisco, 241. Horário: terça a quinta, de 9h às 17h, sexta e sábado, de 9h às 18h, e domingos, de 9h às 14h.


Quarto de Juscelino

Cozinha

Palavras que emocionam

Anexo construído ao fundo para abrigar a biblioteca, mobiliário e instrumentos do consultório médico de JK e o auditório.

Consultório médico

 
No andar inferior, o Bar no Nonô, como Juscelino era chamado na infância, oferece cafezinho e revista da casa como cortesia.




Estátua de JK e Fórum: A estátua, em homenagem ao ex-presidente, fica na Praça de mesmo nome, em frente ao fórum e à Igreja São Francisco.


Fórum

Museu do Diamante: Aqui morou padre Rolim, um dos personagens da Inconfidência Mineira. No espaço estão expostas peças ligadas à exploração dos diamantes, inclusive o próprio metal precioso, e objetos de arte sacra. Rua Direita, 14.

Teatro Municipal Santa Izabel: A antiga Cadeia Pública de Diamantina, que funcionou até a década de 80, foi transformada em um moderno teatro. Durante os festivais de inverno e de gastronomia, os espetáculos são constantes, compostos de apresentações teatrais e musicais. Praça Dom Joaquim, 520, Centro. 


Casa de Chica da Silva: Chica da Silva foi uma escrava do século XVIII. Posteriormente alforriada, tornou-se companheira, durante 15 anos, do rico João Fernandes de Oliveira, um contratador de diamantes. Praça Lobo de Mesquita, 266.


Passadiço: Do tempo das irmãs vicentinas,  a função do passadiço era de ligação das duas casas que funcionaram como educandário e orfanato, bem como de preservar as moças dos olhares alheios, que não precisavam de atravessar a rua. Rua da Glória.


Caminho dos Escravos: Na mesma estradinha que leva ao cruzeiro, está o caminho dos escravos, calçado totalmente por eles. Por ali passavam tropeiros, animais e diamantes. Acesso pela BR 367.




Cruzeiro da Serra: Com 1300 metros de altura, o cruzeiro proporciona uma bela vista de Diamantina. Vá durante o dia, no máximo no fim da tarde. Após esse horário, a população da cidade considera um pouco perigoso.




Casa do Muxarabiê: Traços de arquitetura Árabe. Rua da Quitanda, 48. 


Casa da Intendência: Construída no século XVII, hoje abriga a  Prefeitura e a Câmara Municipal. Praça Conselheiro Mata, 11.


IGREJAS:

Igreja São Francisco: Aqui está enterrada Chica da Silva. É minha igreja preferida! Rua São Francisco s/n. Horário de visitação: terça a sábado, das 9 às 12 e das 14 às 18h. Domingo, das 9 às 12h.



Igreja Nossa Senhora do Rosário: Praça Dom Joaquim s/n. Horário de visitação: terça a sábado, das 9 às 12 e das 14 às 18h. Domingo, das 9 às 12h.


Catedral de Santo Antônio: Sua construção é mais recente, por volta de 1940. Localização bem central, na Praça da Matriz.

Ao fundo, a Catedral de Santo Antônio

Capela Imperial do Amparo: Linda igrejinha, localizada na Rua do Amparo.


Capela Senhor do Bonfim: Construída por volta de 1771. Praça Monsenhor Neves.


Igreja Nossa Senhora do Carmo: Possui um órgão de 549 tubos e altares folheados a ouro. Rua do Carmo.

Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos: Suas paredes são inclinadas para direita. Largo do Rosário.

Capela de Nossa Senhora das Mercês: Rua das Mercês.

Capela de Nossa Senhora da Luz: Largo da Luz.

DIAMANTINA E SEUS ARREDORES:

Gruta do Salitre:

A beleza que mais me impressiona na região é a Gruta do Salitre. Sou apaixonada por esse lugar, que é um pouco místico. Sinto uma energia diferente.

A minissérie "A Cura", exibida na Globo, teve cenas gravadas no local.  O acesso é pela estrada para Curralinho, Km 9.

A segurança da gruta deixava a desejar, mas em 07 de julho de 2011, autoridades reuniram-se para discutir o assunto. Na ocasião foi estipulado que a gruta estará aberta para visitação, sob o monitoramento da ONG Biotrópicos nos seguintes dias e horários: Sábados: 14:00hs as 17:00hs. Domingos e feriados: 09:00hs as 12:00hs.










Biribiri:

A vila, composta de casinhas nas cores branca e azul, foi construída para moradia dos funcionários de uma desativada fábrica de tecidos, a Companhia Industrial de Tecidos, que funcionou desde o fim do século XIX até 1973. A vila já passou por reformas, mas mantém sua arquitetura original.

Para bebericar, faça uma pausa no único bar, que serve pastéis e alguns petiscos razoáveis. Logo atrás, experimente fazer umas fotos no riacho que corta a região.

Acesso pela BR-367 (direção Araçuaí), Km 587.
Exibir mapa ampliado


Riacho
As cachoeiras: Gosto de apreciar a paisagem de uma bela cachoeira, mas não sou fã de nadar naquelas águas geladas. A única que conheço é a Sentinela, que fica no caminho para o Biribiri. Fico devendo as fotos e uma visita a cada uma dessas belezas!

Sentinela: Há poços de água cristalina. Acesso pela estrada do Biribiri.

Cachoeira das Fadas: 40 metros de queda d'água.

Cachoeira dos Cristais: Com apenas 6 metros de altura. Há poços para banho. Acesso pela estrada do Biribiri.

Cachoeira da Toca: 16 metros.Tem uma vasta piscina natural com 8 metros de profundidade.

Três Quedas: São 70 metros de queda d'água. Localiza-se no distrito de Conselheiro da Mata.

Cachoeira do Tombadouro: Pequenas quedas d'água de até 2 metros de altura.

Mais informações você encontra pelo telefone da Secretaria de Cultura, Turismo e Patrimônio de Diamantina (38) 3531-9532 ou pelo email turismo@diamantina.mg.gov.br.

Boa viagem!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do blog e deixe seu registro!