quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Lua de Mel (parte II): A Poderosa Dubai (5º dia)

O quinto e último dia em Dubai foi corrido, mas valeu cada passo. Partimos de táxi para o complexo Madinat Jumeirah, onde há hotéis, restaurantes e lojas que reproduzem os tradicionais mercados árabes, chamados de souks.

Apesar de artificial, o lugar é lindo e impecável. As lojas são apaixonantes e oferecem todo tipo de produto típico, como tapetes persas, pinturas, antiguidades, peças em prata, luminárias, roupas, jóias, perfumes entre outros. 

Dentro da enorme área há dois luxuosos hotéis boutique - Al Qasr e Mina A'Salam - 29 casas de verão inspiradas na antiga Arábia, em Dar al Masyaf; 7 Malakya Villas com alto nível de sofisticação; academia - Talise Fitness - e spa - Talise Spa. As instalações são interligadas por 3 km de vias navegáveis e jardins paisagísticos.


Entrada

Corredores de lojas inspirados nos antigos mercados 

Mapa do Souk

Loja de tapetes persas

Lindas luminárias orientais
Em uma das encantadoras lojas (foto abaixo) fomos muito bem atendidos por um senhor e sua esposa. Compramos um jogo de chá árabe em prata e vários souvenires para presentear a família.


Lá fora o calor estava em torno de 50ºC, o que não nos fez desistir de conhecermos o complexo através do Abra, um barquinho que, sobre os canais, percorre toda a área e é conduzido por simpáticos e prestativos guias.


A caminho do Abra Tour

Pausa para uma sombra...
Há uma incrível variedade de opções gastronômicas. São 44 restaurantes, bares e lounges para você desfrutar. Cada um com seu tema, estilo e localização.

Enquanto esperávamos pela partida do Abra para um passeio, almoçamos no italiano Toscana, cercado de vidro e logo em frente ao ponto de saída do barco. Pedimos uma massa saborosa, mas não muito pesada para enfrentarmos com leveza a intensidade do calor que nos aguardava. 

Massa do restaurante Toscana
Os tickets foram comprados por AED 70 por pessoa (em torno de R$ 45,00). Os passeios partem da estação Abra Souk Toscana e são realizados a cada 20 minutos, das 10:00 hs às 23:00 hs, durante o inverno, e das 11:00 hs às 23:00 hs, durante o verão. A duração é de 20 minutos.

Após a saída, fotógrafos pedem uma pose para fotos vendidas no fim do percurso. A nossa ficou tão bonita que não resistimos. 

Tickets do passeio


A primeira visão que temos é do cartão-postal de Dubai, o famoso hotel Burj al Arab, também da rede Jumeirah. Pausa para fotos.



Sobre os canais do Madinat Jumeirah


Era hora de partirmos para Deira e Bur Dubai, a parte antiga da cidade, rumo aos verdadeiros e tradicionais mercados árabes: Souk dos Tecidos, Souk do Ouro e Souk das Especiarias. 

Antes passamos no Dubai Museum para conhecermos um pouco da história da cidade e da cultura árabe. Localizado no Al-Fahidi Fort, considerado o edifício mais antigo de Dubai e já utilizado como sede e residência dos governantes, o museu é uma verdadeira máquina de viagem no tempo.

A visita inicia-se no pátio, onde podemos ver barcos de pescas dos velhos tempos e habitações tradicionais. 


Pátio do Dubai Museum


Antigas residências árabes
A parte interna possui uma infinidade de demonstrações da cultura árabe. Uma maquete traduz a Dubai de 1822: apenas água e areia. 


Após alguns vídeos, em telões, sobre a expansão da megalópole, uma série de cenários despertam a imaginação do público. A vida nas escolas, nos mercados, no trabalho, trajes tradicionais, fauna, pesca e construções de barco são algumas demonstrações dos velhos tempos. 

Comércio

Trabalho

Escola

Pesca e construção de barco
De lá caminhamos até Bastakiya, cuja área foi um antigo bairro de Dubai, datado de 1890. A maioria dos residentes tiveram suas casas compradas pelo governo que renovou todos os edifícios históricos, dando espaço para hotéis, galerias de arte e cafés muito charmosos. Suas ruelas labirínticas, juntamente com a arquitetura, tornam o lugar especial.  



Um dos cafés
Hora de conhecermos os souks, tão esperados mercados árabes. O primeiro deles foi o dos tecidos, o único que fica no bairro Bur Dubai, localizado a poucos passos do Dubai Museum. Depois atravessamos o rio Creek de barco e, do outro lado, no bairro Deira, conhecemos o mercado das especiarias e o mercado do ouro.

Chegamos pelos fundos do souk dos tecidos. Não tive boa impressão sobre o lugar, mas depois foi me conquistando. É normal deparar-se com vendedores querendo "pescar" você para dentro das lojas, mas sempre com educação e bom-humor.

Os corredores são marcados por estruturas de madeira e lojas uma ao lado da outra com seus produtos à mostra. Algumas bancas, como a de sapatinhos de Aladim, valem a visita.

Souk dos tecidos


Sapatinhos de Aladim
Entramos na loja Emirates Palace e fomos atendidos pelo próprio dono que foi uma simpatia em pessoa. Com paciência nos mostrou muitas peças finas, como echarpes de seda e pashminas. E tudo a um preço bem menor que no Brasil. Então, quando forem a Dubai, não deixem de passar nessa loja.

Depois das compras, uma foto na loja Emirates Palace e, ao fundo, o simpático proprietário fazendo pose.
Já era fim de tarde e, ao lado do mercado, pegamos um barco rústico para atravessar o rio Creek. Do outro lado fomos ao encontro de Deira, outro antigo bairro de Dubai. 

Barcos simples levam a Deira 
Travessia com direito a pôr do sol

Travessia no rio Creek

Desembarque em Deira
Uma placa indicava o caminho do Gold Souk (mercado do ouro), mas antes não poderíamos deixar de conhecer os temperos árabes no pequeno mercado das especiarias. Basta seguir o aroma que você chega lá....


Paramos na primeira loja que nos chamou atenção. O vendedor nos apresentou quase todos os produtos da casa, com direito a degustação de tâmaras deliciosas e cobertas de chocolate. Uma infinidade de temperos, inclusive o legítimo açafrão, figos, doces e damascos demostravam a riqueza da culinária do Oriente Médio.



Levamos um potinho do valioso e original açafrão porque aqui no Brasil o preço é bem elevado (aproximadamente R$ 50,00 por 1 grama). Um dos motivos de tanto valor no mundo inteiro é seu processo de produção. Cada quilo demanda 400 horas de trabalho, sendo necessárias 150 a 200 mil flores para fazer a sua extração. Os árabes utilizam o tempero especialmente nos cafés, juntamente com o cardamomo. Além de propriedades anestésicas, dizem que é afrodisíaco. Desde a Antiguidade as mulheres, inclusive a rainha Cleópatra, utilizavam a especiaria para seduzir.

O legítimo e valioso açafrão

Produtos típicos
A Rock Sugar foi outro produto interessante que nos foi apresentado. É um açúcar cristalizado, de origem iraniana, utilizado para adoçar os chás e cafés árabes.

Rock Sugar
Finalmente, o último mercado: Gold Souk, o maior bazar de ouro da Arábia, senão do mundo. É um verdadeiro oásis para as mulheres. Ouro, ouro, ouro que não acaba mais refletindo nas vitrines e nos nossos olhos. São centenas de lojas recheadas desse metal precioso, em especial colares e pulseiras exageradas, como as mulheres árabes gostam. É de impressionar!

O ambiente não é dos melhores, apesar de não haver perigo. Assim como nos corredores do mercado dos tecidos, muitos homens oferecem discretamente bolsas falsificadas e alguns olham para você descaradamente tentando adivinhar, em voz alta, sua nacionalidade. Gritaram para mim: "italiana"! Rsrsrsr!





Nosso dia não terminou ali. Tomamos um táxi e fomos conhecer a última atração da viagem: Dubai Fountain, a dança das águas, considerada a maior fonte dançante do mundo.

O curto espetáculo acontece a cada 30 minutos, entre 18:00 hs e 23:00 hs, em um enorme lago artificial, aos pés do Burj Khalifa, podendo ser visto livre e gratuitamente da grande área ao redor ou dos restaurantes. Contrastando com o deserto, a fonte dispara jatos de água de 150 metros de altura e é sincronizada com a música. No dia em que assistimos o tema foi I Will Always Love You, da Whitney Houston.

Burj Khalifa Lake



Na mesma área está o interessante Souk Al Bahar, diretamente ligado ao luxuoso hotel The Palace Downtown Dubai, onde você encontra diversas lojas típicas e boa variedade de restaurantes.


Fechamos o último dia com uma pizza no badalado Àpres Bar, dentro do shopping Mall of the Emirates que é conectado ao hotel onde hospedamos. Sentamos em uma mesa com vista para o Ski Dubai, o maior parque de neve do mundo, com uma área de 22.500 mil m² de pistas, teleférico entre outras atrações.




Pizza no Àpres Bar com vista para o Ski Dubai
E assim nos despedimos da cidade do ouro, das construções impressionantes, dos hotéis estonteantes, do luxo, dos restaurantes e baladas estreladas. Nos despedimos de um mundo totalmente surpreendente e oposto a muitos mundos.

Nos vemos nas Maldivas, nosso próximo destino.

Até!

B.Jus


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do blog e deixe seu registro!